FIM DO MUNDO


Vai ai contenuti

Menu principale:


CICLONES

CATÁSTROFES > CATÁSTROFES NATURAIS > CICLONES


Um ciclone (ou depressão ou centro de baixas pressões) é uma região em que o ar relativamente quente se eleva e favorece a formação de nuvens e precipitação. Por isso, tempo nublado, chuva e vento forte estão normalmente associados a centros de baixas pressões. A instabilidade do ar produz um grande desenvolvimento vertical de nuvens cumuliformes associadas a cargas de água.


Ciclones e Anti-ciclones (Hemisfério Norte)são indicados nos mapas meteorológicos pela letra «B» e são locais onde a pressão atmosférica é a mais baixa na sua vizinhança e em volta do qual existe um padrão organizado de circulação de ar. À medida que, pela acção do diferencial de pressões, o ar flui dos centros de altas pressões para um centro de baixas pressões é deflectido pela força de Coriolis de tal modo que os ventos circulam em espiral, isto é, no sentido anti-horário (direcção contraria aos ponteiros de um relógio) no Hemisfério Norte e no sentido horário (direcção dos ponteiros de um relógio) no Hemisfério Sul. Na meteorologia os movimentos de ar resultantes de um centro de altas pressões são denominados anti-ciclones. O sentido de giro de um ciclone e de um anti-ciclone é o contrário para um mesmo hemisfério, sendo este determinado pela aceleração de Coriolis.




Ciclones e Anti-ciclones (Hemisfério Norte)


Como exemplo de ciclones podemos citar os sistemas frontais, os tornados e os furacões. Como, na Índia e na Austrália, os furacões são chamados ciclones (e, na Ásia, tufões), a mídia confunde constantemente o termo ciclone com furacão. A meteorologia diferencia o ciclone extratropical do furacão. Um furacão tem núcleo quente e se forma sobre águas quentes, em geral acima de 26 graus celsius. Um ciclone extratropical em geral é um fenômeno de latitudes médias e altas que se propaga até latitudes tropicais, associado comumente a frentes frias e ondas baroclínicas em altos níveis da troposfera;


Mapa meteorológico



Sistema frontal ciclónico (Hemisfério Norte)Os ciclones são fáceis de reconhecer num mapa de observações à superfície pelos ventos que tendem a fluir para ele com uma rotação «em espiral» e nas imagens de satélite pela configuração em forma de vírgula de bandas de nuvens.

No Hemisfério norte, um ciclone em desenvolvimento é tipicamente acompanhado (a leste do centro de baixas pressões) por uma frente quente atrás da qual ventos de sul transportam para norte o ar quente e húmido de uma massa de ar quente, contribuindo para a desenvolvimento de precipitação. Atrás do centro de baixas pressões (a Oeste dele), ventos de norte transportam ar mais frio e seco para o sul, com uma frente fria marcando o bordo da frente dessa massa de ar mais fria e seca. No Hemisfério sul, como o sentido ciclónico se inverte, observa-se tipicamente a situação simétrica desta.


Sistema frontal ciclónico (Hemisfério Norte)



Ciclone tropical

Ciclone tropical é um sistema tempestuoso caracterizado por um sistema de baixa pressão, por trovoadas e por um núcleo morno, que produz ventos fortes e chuvas torrenciais. Este fenômeno meteorológico forma-se nas regiões trópicas, onde constitui uma parte importante do sistema de circulação atmosférica ao mover calor da região equatorial para as latitudes mais altas. Um ciclone tropical alimenta-se do calor libertado quando ar úmido sobe e o vapor de água associado se condensa. Os ciclones tropicais são alimentados por formas diferentes de libertação de calor do que outros fenômenos ciclônicos, como os ciclones extratropicais, as tempestades de vento européias e as baixas polares, permitindo a sua classificação como sistemas de 'núcleo morno'.

Estes ciclones são chamados de 'tropicais' porque se formam quase que exclusivamente em regiões trópicas e também por se originarem de massas de ar tropicais marítimas. Estes sistemas são chamados de 'ciclones' devido a sua natureza ciclônica. No hemisfério norte, os ciclones tropicais giram em sentido anti-horário e no hemisfério sul giram em sentido horário. Dependendo de sua localização geográfica e de sua intensidade, os ciclones tropicais podem ganhar vários outros nomes, tais como furacão, tufão, tempestade tropical, tempestade ciclônica, depressão tropical ou simplesmente ciclone.

Os ciclones tropicais produzem ventos fortes e chuvas torrenciais. Estes sistemas também são capazes de gerar ondas fortes e a maré ciclônica, uma elevação do nível do mar associada ao sistema. Estes fatores secundários podem ser tão devastadores quanto aos ventos e às chuvas fortes. Os ciclones tropicais formam-se sobre grandes massas de água morna e perdem sua intensidade assim que se movem sobre terra. Esta é a razão porque regiões costeiras são geralmente as áreas mais afetadas pela passagem de um ciclone tropical; regiões afastadas da costa são geralmente poupadas dos ventos mais fortes. Entretanto, as chuvas torrenciais podem causar enchentes severas e as marés ciclônicas podem causar inundações costeiras extensivas, podendo chegar a mais de 40 quilômetros da costa. Seus efeitos podem ser devastadores para a população humana, embora podem amenizar estiagens.

Muitos ciclones tropicais formam-se quando as condições atmosféricas em torno de uma perturbação fraca na atmosfera são favoráveis. Outros se formam quando outros tipos de ciclones adquirem características tropicais. Estes sistemas tropicais movem-se por meio de correntes de ar na troposfera. Quando as condições atmosféricas continuam favoráveis, o ciclone tropical se intensifica e geralmente se forma no seu núcleo um olho. Por outro lado, quando as condições atmosféricas tornam-se desfavoráveis ou o sistema atinge a costa, o sistema começa a se enfraquecer e posteriormente se dissipa.


O Furacão Catarina, um ciclone tropical do Atlântico sul raro visto da Estação Espacial Internacional em 26 de Março de 2004



Estrutura física
Todos os ciclones tropicais são áreas de baixa pressão atmosférica próximos à superfície terrestre. As medições da pressão atmosférica nos centros dos ciclones tropicais estão entre as menores já registradas mundialmente ao nível do mar. Os ciclones tropicais são caracterizados e guiados pela liberação de grandes quantidades de calor de condensação, que ocorre quando ar úmido é levado para cima e seu vapor se condensa. Este calor é distribuído verticalmente em torno do centro do ciclone. Desta forma, em qualquer altitude, exceto ao nível do mar onde a temperatura da superfície do mar controla a temperatura ambiente, o interior de um ciclone tropical é mais quente do que as partes externas ou áreas em torno.



Estrutra de um ciclone tropical


Bandas de tempestade

Bandas de tempestade são bandas de nuvens que produzem tempestades e trovoadas que se movem de ciclonicamente e em espiral em direção ao centro do sistema. Ventos fortes e aguaceiros freqüentemente ocorrem em bandas de tempestade individuais. Entre bandas de tempestade podem ocorrer regiões de calmaria. Tornados freqüentemente ocorrem nas bandas de tempestade de um ciclone tropical que está prestes a atingir a costa. Ciclones tropicais anulares se distinguem de outros ciclones tropicais pela ausência de bandas de tempestade. Os ciclones tropicais anulares apresentam uma massiva área circular de distúrbios meteorológicos em torno de seus centros de baixa pressão atmosférica. Enquanto todos os ciclones requerem divergências atmosféricas acima para continuarem a se aprofundar, a divergência atmosférica sobre ciclones tropicais está em todas as direções a partir de seus centros. Nos topos de ciclones tropicais destacam-se ventos que saem de seus centros para as áreas externas, realizando um movimento anticiclônico, devido ao efeito Coriolis. Ventos associados a um ciclone tropical na superfície são extremamente ciclônicos, enfraquecem-se conforme a altitude e num determinado instante conforme aumenta a altitude, começam a girar ao contrário. Ciclones tropicais têm como única característica própria a necessidade de pouco ou nenhum vento de cisalhamento para manterem seu núcleo morno nos seus centros.


Olho e o núcleo interno

Um ciclone tropical intenso irá acolher uma área de ar no centro de sua circulação. Se esta área for suficientemente forte, poderá evoluir para um olho. As condições meteorológicas no olho são normalmente calmas e livres de nuvens, embora o mar poderá estar extremamente violento.[3] O olho é normalmente circular em sua forma e pode variar em tamanho entre 3 a 370 quilômetros de diâmetro. Ciclones tropicais intensos e maduros pode às vezes exibir uma curvatura interna do topo de sua parede do olho, o que pode lembrar um estádio de futebol; este fenômeno às vezes é referido como efeito estádio.

Há outros destaques que podem estar em torno do olho ou cobri-lo. O centro denso nublado é uma área concentrada onde há intensa atividade de trovoadas localizado perto do centro do sistema; em ciclones tropicais fracos, o centro denso nublado poderá cobrir o centro do sistema completamente. A parede do olho é um circulo de tempestades violentas que envolve o olho; é nesta região de um ciclone tropical que são encontrados os ventos mais fortes, onde as nuvens alcançam o pico de intensidade e também onde a precipitação é a maior. Os maiores danos causados por um ciclone tropical são quando a parede do olho passa sobre terra. Ciclos de substituição da parede do olho podem ocorrer naturalmente em ciclones tropicais intensos. Quando os ciclones tropicais atingem seu pico de intensidade, eles normalmente têm uma parede do olho e um raio de vento máximo que podem se contrair para um tamanho muito pequeno em comparação ao ciclone como um todo, por volta de 10 a 25 quilômetros. Bandas de tempestade externas podem se organizar para formar outro anel de tempestades e trovoadas (uma nova parede do olho) que move-se lentamente em direção ao olho e começa a usurpar da umidade da parede do olho e de seus momentum angular. Quando a parede do olho enfraquece-se, o ciclone tropical enfraquece (em outras palavras, o vento máximo sustentado se enfraquece e a pressão atmosférica central sobe). A parede do olho externa substitui completamente a outra parede do olho no fim do ciclo. O ciclone pode voltar a ter a intensidade inicial ou em alguns casos, o ciclone poderá estar mais forte após a substituição da parede do olho terminar. O ciclone poderá fortalecer-se novamente assim que o sistema constrói uma nova parede do olho para o próximo ciclo de substituição da parede do olho.

Tamanho

Uma medida de tamanho de um ciclone tropical é determinada pela medição da distância de seu centro de circulação até a sua isóbara mais externa, também conhecida como seu "ROCI". Se a medida do raio for menos do que dois graus de latitude (222 km), então o ciclone é 'muito pequeno' ou 'anão'. Se a medida do raio for entre 2 a 3 graus (222 a 333 km), então o ciclone é considerado 'pequeno'. Se a medida do raio for entre 3 a 6 graus (333 a 666 km), então o ciclone será considerado um ciclone de 'tamanho normal'. Ciclones tropicais são considerados 'grandes' quando seu raio fica entre 6 a 8 graus (666 km a 888 km). Ciclones tropicais são considerados ‘muito grandes’ quando o seu raio ultrapassa 8 graus (mais de 888 km).[14] Outros métodos de determinar o tamanho de um ciclone tropical incluem a medida do raio de ventos máximos no qual seu campo relativo de vorticidade diminui para 1×10-5 s-1 de seu centro.

Descrições de tamanhos de ciclones tropicais
ROCI Tipo
Menos do que 2 graus de latitude Muito pequeno/anão
2 a 3 graus de latitude Pequeno
3 a 6 graus de latitude Médio/normal
6 a 8 graus de latitude Grande
Mais de 8 graus de latitude Muito grande





fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki/Ciclone_tropical






GlobalBanner - Seu site de troca de banners



Torna ai contenuti | Torna al menu